Qual a diferença entre ruído ocupacional e ruído ambiental?

O que é ruído?

O ruído é um som indesejado que é desagradável, alto ou perturbador.

Outras palavras para ruído incluem zumbido, cacofonia, comoção, estrondo, grito, explosão, rugido ou turbulência.

A poluição sonora é descrita como qualquer som perturbador ou indesejado que interfere ou prejudica a saúde humana ou a vida selvagem.

 A poluição sonora é um perigo invisível. São sons ou ruídos que não são naturais em volume ou produção.

O volume do som é medido em decibéis (dB). Uma conversa normal tem cerca de 60 dB, mas um cortador de grama tem cerca de 90 dB e um show de rock tem cerca de 120 dB.

A exposição repetida a sons de 85 dB ou mais pode prejudicar a audição de uma pessoa. Esse dano auditivo pode ser permanente.

Níveis de som entre 120 dB e 140 dB podem causar dor e níveis de som acima de 137 dB podem causar choque acústico (perda repentina de audição).

Por isso, há a necessidade do controle de ruído em ambientes internos e externos, regidos por leis específicas de acordo com a localização, horário e atividades desenvolvidas, entre outros pontos.

É a partir daí que nasceram as medições de ruído ocupacional e ambiental.

O que é o ruído ambiental e ocupacional?

O ruído ambiental é o resultado da poluição sonora proveniente do exterior, causada por transportes, atividades diversas.

Já o ruído ocupacional é aquele que acontece no ambiente de trabalho e os prejuízos são voltados aos trabalhadores.

O impacto do ruído no local de trabalho na saúde ocupacional

Hoje, o ruído é considerado uma forma de contaminação que tem efeitos negativos para a saúde humana, o que o torna uma questão social e ambiental. A exposição prolongada ao ruído aumenta a pressão arterial e o cansaço, além de causar diversos outros problemas de saúde, como os detalhados a seguir:

  • Deficiência auditiva temporária: a exposição constante a ruídos intensos leva à fadiga auditiva, da qual a audição pode levar de 12 a 16 horas para se recuperar. Se os sintomas de fadiga persistirem após esse período, o dano é considerado permanente.
  • Perda auditiva: o primeiro sintoma da perda auditiva tende a ser a incapacidade de detectar ruídos agudos. Em casos de exposição contínua ao ruído na vida cotidiana, a perda auditiva também pode começar a envolver sons de baixa frequência. Essa perda auditiva também pode ser induzida por uma breve exposição a ruídos muito intensos, como os produzidos por pistolas de grampos, pois essas explosões intensas de som também podem perfurar o tímpano e causar zumbido.
  • Zumbido: causado pela exposição excessiva a ruídos altos. O zumbido ou zumbido associado a ele pode ser o primeiro sinal de que o ouvido foi danificado.
  • Maior risco de acidentes: os funcionários podem se distrair com o barulho e, portanto, têm maior probabilidade de se tornar desajeitados ou cometer erros. Eles também podem deixar de ouvir os avisos e alarmes ou compreender totalmente as instruções faladas que recebem.
  • Mudanças na fala e na comunicação: o ruído ambiente mais alto do que o normal significa que os funcionários são forçados a levantar a voz para manter uma conversa.
  • Estresse: causado por fatores como incapacidade de concentração ou necessidade de levantar a voz. A falta de condições seguras e controladas pode tornar o ambiente de trabalho uma fonte de estresse. O ruído ambiente também pode ter um impacto fisiológico, como um aumento perigoso da pressão arterial durante o sono.
  • Problemas de sono: podem ter um efeito prejudicial no corpo e contribuir para distúrbios crônicos, como doenças cardíacas.

Existem normas que regulamentam?

A ABNT NBR 10151 de 2019 influencia diretamente, por exemplo, a vida do cidadão comum, empresas que buscam a gestão ambiental de suas organizações, promotores de grandes eventos e agentes públicos de fiscalização.

A norma (ABNT NBR 10151:2019 Versão Corrigida:2020) estabelece que devem ser realizados levantamentos das características predominantes do local. Além disso, ressalta em vários pontos que sons intrusivos devem ser descartados da medição e também foi incluído o método de monitoramento de longa duração, o Ldn, para medições realizadas em um período de 24 horas. Sendo o método estabelecido por fórmula específica com o propósito de padronizar as medições de ruído conforme ABNT.

A NR-15 estabelece as atividades que devem ser consideradas insalubres, gerando direito ao adicional de insalubridade aos trabalhadores.

Esta norma regulamentadora define os Limites de Tolerância para agentes físicos, químicos e biológicos, quando é possível quantificar a contaminação do ambiente, ou listando ou mencionando situações em que o trabalho é considerado insalubre qualitativamente.

Há também a NHO-01 (Normas de Higiene Ocupacional) que é um conjunto de diretrizes técnicas que define os parâmetros que devem ser seguidos para a avaliação dos riscos ambientais presentes no ambiente de trabalho.

Existe limite de ruídos?

Sim! Ele é regulamentado pela ABNT NBR 10151:2019, que traz os limites de níveis de pressão sonora em função dos tipos de áreas habitadas e do período. O limite pode variar de acordo com zoneamento e legislação municipal.

São muitos pontos para observar, não é?

Lembre-se, os laudos de ruídos devem ser assinados por profissionais legalmente habilitado, devidamente registrados no conselho de classe, portanto, o empreendedor deve sempre consultar se empresa oferece calibração RBC, certificado de aprovação de modelo para atendimento da NBR 10.151:2019.

Fale conosco e tire todas suas dúvidas sobre os ruídos ambientais e ocupacionais.

_gn